quinta-feira, 28 de abril de 2011

Motivação para Estudar

Motivação
Sem motivação nada se faz.
Com motivação, tudo é mais fácil e mais rápido.
O estudante, como o professor, o médico, o operário ou o desportista, precisa de ter ou criar motivos de interesse para realizar bem as suas tarefas.
O segredo do sucesso está na motivação.
- A força da motivação
A motivação é uma força que activa e dirige o comportamento.
Para vencer na escola, o estudante deverá possuir uma motivação forte, embora não excessiva. Uma motivação elevada desperta o desejo de aprender. Ao contrário, uma motivação demasiado elevada, com base na expectativa de grandes prémios ou castigos, conduz à ansiedade e ao medo de falhanço, o que tolhe a inteligência e prejudica o rendimento.
Sem motivação não há truques eficientes: aprende-se pouco e esquece-se
depressa. Havendo motivos de interesse, os assuntos neutros, «escuros» ou «amargos» ganham uma «cor» e um «sabor» agradáveis.
A motivação é um acelerador da aprendizagem e um travão do esquecimento 

- Acelerador da aprendizagem
Se pedirmos a dois estudantes que decorem uma lista de palavras, concluiremos que o estudante motivado aprende melhor.
Um estudante motivado concentra-se no trabalho. Não se dispersa nem interrompe o estudo. Muitas vezes, nem dá pelas horas que passam, pois não  sente cansaço nem aborrecimento.
Quando há interesse e desejo de aprender, avança-se mais depressa. A aprendizagem com motivação nunca está em «ponto morto».

- Travão do esquecimento
O esquecimento depende, em grande parte, das motivações da pessoa. Freud afirma que esquecemos aquilo que inconscientemente desejamos esquecer. Afinal, o cérebro é um «computador» com uma memória selectiva, movida por interesses.
A memória guarda a informação de acordo com a tonalidade (agradável ou desagradável) que ela tem para o estudante. Tudo o que é significativo e interessante permanece mais tempo na memória e pode ser recordado com facilidade. Por isso conservamos, na nossa memória, alguns factos importantes da nossa vida ou algumas ideias mais atraentes. O que é indiferente entra na gaveta do esquecimento ou das vagas lembranças.
- Os reforços do interesse
Todo o jovem sofre «faltas de apetite» pelo estudo e precisa de estímulos para combater o «fastio» escolar. Quando a motivação enfraquece, o aluno precisa de um reforço. Os estímulos ou reforços podem surgir por iniciativa dos educadores ou por iniciativa dos próprios estudantes.

- Castigos e prémios dos educadores
Os educadores (professores e pais) costumam tomar a iniciativa de reforçar o interesse dos jovens pelo estudo. Umas vezes, usam estímulos negativos ou castigos (censuras, ameaças...). Outras vezes, oferecem estímulos positivos ou prémios (elogios, prendas...).
Desejando o melhor para os seus filhos, alguns pais chegam ao exagero de lhes dar um «salário» proporcional às classificações alcançadas nos testes. Quanto melhor for a nota mais dinheiro oferecem! Este processo, apesar das boas intenções, corre o risco de transformar o estudo num negócio pouco recomendável.
Os bons educadores estão mais atentos aos esforços do aluno do que às classificações e sabem oferecer estímulos adequados à circunstância. Não hesitam em aplicar um castigo para travar comportamentos indesejáveis. Mas preferem encorajar, pois reconhecem que os prémios, não os castigos, podem criar o gosto de aprender.

- Estímulos criados pelo estudante
O estudante não deve esperar tudo dos «empurrões» dados pelos educadores.
Não deve esperar que sejam apenas os outros a reforçar a sua motivação. Ele pode alimentar o seu interesse pelo trabalho, criando os seus próprios estímulos.
Depois de terminar bem uma tarefa difícil ou conseguir uma boa nota, o estudante pode oferecer a si próprio algo que lhe agrade. Ver um bom  programa de televisão, ir a uma festa ou ao cinema, dar um passeio, sair com os amigos — eis alguns exemplos de pequenas recompensas para o trabalho realizado.
Parece simplista, mas é eficaz. Um incentivo, por pequeno que seja, traz um novo alento. O que importa é não se deixar cair na rotina de recompensar  sempre e da mesma maneira todos os esforços. Os prémios devem ser incentivos proporcionais ao esforço. Que diríamos de alguém que prometesse a si próprio uma ida ao cinema por cada nota positiva?!
Os prémios não precisam de ser materiais. O estudante pode considerar estimulo suficiente a satisfação pessoal de aprender coisas novas ou a alegria de agradar aos pais e professores ou ainda o prazer de conseguir respeito, estima e consideração por parte dos outros.
- Pensar no futuro
Muitos jovens vivem apenas o presente e não querem saber do futuro. Procedem melhor aqueles que têm o «hábito mental» de pensar no futuro e nas vantagens que os estudos podem proporcionar. Pensar no sucesso futuro pode ser um forte incentivo para o trabalho.
Para um jovem, o estudo é uma forma de realização pessoal e social e, acima de tudo, uma garantia de vida mais segura. De facto, o estudo permite obter determinados conhecimentos e qualificações que tornam mais fácil o acesso ao mercado de trabalho, por mérito próprio.
«Bastam um bom padrinho e uma boa cunha»—pensarão algumas pessoas.
Nalguns casos, infelizmente, esta prática ainda se verifica. Mas nem sempre funciona e, mesmo quando funciona, de pouco serve se o indivíduo não provar a sua competência e as suas habilitações. Um curso não dá emprego, mas dá mais hipóteses de saídas profissionais e de melhor salário. As pessoas habilitadas e competentes são mais procuradas e mais bem pagas. Isto acontece em todo o mundo.
Um jovem responsável não estuda apenas pelo prazer dos prémios ou pelo medo dos castigos imediatos. Ele sabe que não está a fazer um «jeito» aos professores ou à família. Ele acredita que está a construir o seu próprio futuro. É isso que o motiva.

Abraçoss

Links relacionados 
Relação de provas de concursos anteriores para estudo

Relação de Provas por Empresas Públicas e Autarquias

A importância do Edital

Empresas Organizadoras de Concursos Públicos
Ajuri Cespe Fadesp Fumarc Makiyama
Advise Cetap Fadurpe Funcab Moura Melo
AOCP Cetro FCC FunRio MSConcursos
BioRio Consulplan FEPESE Ibam Vunesp
Cesgranrio ESAF FGV Ipad Zambini

Tenha acesso a todo conteúdo clicando em MAPA DO BLOG

quarta-feira, 27 de abril de 2011

A eficácia de um horário


Um processo simples que permite aproveitar melhor o tempo é elaborar um horário semanal para o estudo.
Interessa um horário realista que se ajuste às necessidades individuais e possa ser cumprido. O horário deve ser flexível e ter em conta, em cada semana, os compromissos inadiáveis das várias disciplinas. Para não esquecer esses compromissos (trabalhos para casa ou testes), o melhor será usar uma agenda.

Não é fácil fazer nem cumprir um horário, mas vale a pena tentar. O horário não é uma prisão ou uma «camisa de forças», de onde não se possa fugir. O horário é um guia que leva o estudante a trabalhar com regularidade.

O trabalho regular (de preferência, todos os dias, às mesmas horas, no mesmo
local) representa um exercício de autodisciplina e uma segurança contra imprevistos.

- Exercício de autodisciplina
Um estudante que obedece a um horário aprende a disciplinar-se. Não faz apenas o que lhe apetece, quando tem disposição. Não é escravo dos caprichos ocasionais. Não cede tão facilmente às tentações do exterior. Concentra-se e cumpre, em cada momento, a tarefa que impôs a si próprio: «agora estudo, logo farei outras coisas...».

A disciplina no trabalho é um trunfo fundamental para o sucesso nos estudos e na vida. Uma pessoa metódica e organizada poupa tempo e energias. Os bons
hábitos, adquiridos agora, rendem juros elevados no futuro.

- Segurança contra imprevistos
Há sempre jovens pouco estudiosos que gostam de criticar os colegas mais trabalhadores, como se estudar fosse pecado. A esses jovens trocistas é oportuno lembrar a velha história da cigarra e da formiga. A cigarra cantava e troçava da formiga trabalhadora. Porém, quando chegaram os momentos difíceis, a cigarra viu-se forçada a pedir emprestado para comer e verificou que a atitude da formiga, embora menos divertida, era mais prudente.

O trabalho pode implicar alguma dose de sacrifício, mas traz as suas recompensas. O trabalho regular é a única prevenção eficaz contra a fadiga, as
confusões e o medo sofridos por quem guarda o estudo para a última hora.

Se deseja gerir bem o seu tempo
- Estabeleça prioridades.
Dê a cada actividade da sua vida o tempo que ela merece.

- Aproveite as suas horas de maior frescura física e intelectual para «atacar» o trabalho mais difícil.

- Não prolongue demasiado os períodos de esforço intelectual. Faça pequenos intervalos de descanso.

- Evite estudar duas disciplinas de conteúdos semelhantes, uma a seguir à
outra. 
- Esforce-se por ter um local de estudo calmo, arrumado e confortável. 
- Elabore um horário pessoal que o ajude a estudar com regularidade.
- Escolha ocupações extra-escolares que favoreçam a saúde, o convívio e o contacto com o mundo do trabalho.
Abraços

Links relacionados 
Relação de provas de concursos anteriores para estudo

Relação de Provas por Empresas Públicas e Autarquias

A importância do Edital

Empresas Organizadoras de Concursos Públicos
Ajuri Cespe Fadesp Fumarc Makiyama
Advise Cetap Fadurpe Funcab Moura Melo
AOCP Cetro FCC FunRio MSConcursos
BioRio Consulplan FEPESE Ibam Vunesp
Cesgranrio ESAF FGV Ipad Zambini

Tenha acesso a todo conteúdo clicando em MAPA DO BLOG

terça-feira, 26 de abril de 2011

As horas mais rentáveis para estudar

O estudo é uma actividade «ciumenta» que exige as melhores horas do dia.
Quais são essas horas? Várias experiências provam que o rendimento intelectual da manhã é superior ao da tarde e ao da noite. Ao princípio da tarde, ocorre sempre uma quebra de vivacidade mental, fruto de uma certa sonolência que ataca toda a gente e não apenas os que fizeram um «grande almoço». Quanto à noite, é natural que o cansaço acumulado de um dia prejudique o rendimento, apesar de haver pessoas que se dão bem a estudar na calma da noite.

As investigações indicam que a maioria das pessoas atinge o seu ponto alto de atenção e de assimilação por volta do meio-dia. O fim da tarde parece igualmente eficaz. No entanto, convém sublinhar que cada pessoa tem os seus ritmos biológico e intelectual próprios. Muitos factores entram em jogo: o temperamento, os hábitos individuais e as condições exteriores. Não se pode generalizar em excesso. Assim, compete ao estudante observar-se e descobrir as suas horas mais rentáveis, as horas em que, por norma, se sente com mais energia e capacidade de assimilação.

As horas mais rentáveis devem ser aproveitadas para «atacar» em força o
trabalho difícil. O trabalho mais fácil ou interessante pode ser deixado para ocasiões de menor frescura.

Há dois momentos pouco recomendáveis para grandes esforços intelectuais:
depois de refeições pesadas e antes de dormir.
Logo a seguir a uma refeição mais pesada, a capacidade de concentração diminui. A digestão física é inimiga das digestões intelectuais. Por isso se recomendam refeições ligeiras antes de grandes esforços, como, por exemplo, a realização de uma prova de avaliação.

Também antes de dormir deve ser evitado o esforço intelectual intenso, porque
perturba o sono e acaba por prejudicar o equilíbrio físico indispensável ao rendimento escolar. Pouco antes de dormir, convirá executar apenas simples trabalhos para casa (T.P.C.), recomendados pelos professores, ou fazer uma revisão ligeira da matéria já aprendida.

Fonte:  Aprender a Estudar

Links relacionados 
Relação de provas de concursos anteriores para estudo

Relação de Provas por Empresas Públicas e Autarquias

A importância do Edital

Empresas Organizadoras de Concursos Públicos
Ajuri Cespe Fadesp Fumarc Makiyama
Advise Cetap Fadurpe Funcab Moura Melo
AOCP Cetro FCC FunRio MSConcursos
BioRio Consulplan FEPESE Ibam Vunesp
Cesgranrio ESAF FGV Ipad Zambini

Tenha acesso a todo conteúdo clicando em MAPA DO BLOG